A ansiedade no trabalho é o oposto de qualidade de vida profissional, ou seja, quando ela ocorre, é porque algo não vai bem e isso acaba comprometendo o seu desempenho e a sua qualidade de vida no trabalho.

Essa é uma situação grave e, infelizmente, bastante comum no mundo corporativo. Se a ansiedade não for tratada, ela diminui a produtividade e a qualidade do serviço entregue, culminando em afastamentos, demissões e até depressão.

Para evitar tantos transtornos, leia este artigo e entenda os 7 fatores mais comuns que podem ocasionar ansiedade no trabalho. Veja se você tem algum desses sintomas e previna-se!

1. Não fazer o que gosta

Este é um fator extremamente importante e que as pessoas não costumam falar a respeito. Quando você ama o que faz, é muito difícil se sentir ansioso.

Claro que, eventualmente, isso pode acontecer, mas quando se é bom em algo e o faz com muito amor, é como se os problemas que poderiam gerar ansiedade desaparecessem. Exercer uma atividade que não gosta leva ao estresse e à ansiedade.

2. Autoestima baixa

Quando uma pessoa tem baixa autoestima, a tendência é ela desempenhar suas atividades sem muita segurança. Ela precisa de feedback constante do gestor ou de seus colegas para se sentir segura e não acabar comprometendo o próprio trabalho.

A ansiedade provocada pela baixa autoestima surge durante a realização da tarefa, pois ela não sabe como vai terminar ou se vai conseguir fazer um trabalho de qualidade. Por isso, elevar sua autoestima é fundamental para ter mais prazer e apresentar bons resultados no trabalho.

3. Falta de reconhecimento

Imagine que você está exercendo uma atividade que envolva outras pessoas, e por mais que goste do que faz, sente que não há reconhecimento por parte dos gestores.

Isso, com certeza, causa ansiedade no trabalho, porque, à medida que um profissional não é reconhecido, começa a tentar antecipar o futuro — e a ansiedade nada mais é do que uma antecipação.

O pensamento comum é: “se eu não estou sendo reconhecido agora, o que vai ser de mim daqui há um ano?”

4. Excesso de tarefas e responsabilidades no dia a dia

Quem de nós nunca chegou em sua mesa de trabalho e se perguntou “por onde eu começo?”

É o que geralmente acontece quando temos um excesso de tarefas e responsabilidades para realizar em um dia, ou seja, antes de começar o expediente, já bate aquela ansiedade.

Como é possível resolver isso? Organize suas tarefas de modo que elas possam ser cumpridas durante o dia, pois quando uma pessoa sente que tem mais tarefas do que pode cumprir, é natural que ela se sinta ansiosa.

Se você tem um gestor e está se sentindo sobrecarregado, tente dialogar com ele e negocie o compartilhamento das tarefas ou mais flexibilidade nos prazos de entrega.

Estando na posição de gestor, é importante conhecer bem as competências de cada membro do grupo e conversar com eles, a fim de fazer uma divisão justa das tarefas e não sobrecarregar ninguém.

5. Medo da incompetência e de perder o emprego

A “síndrome do impostor” atinge muitos profissionais. O problema dessas pessoas é achar que não são competentes o suficiente naquilo que fazem.

Você pode estar dentro de uma empresa e até gostar do que faz, mas tem sempre aquela “voz” martelando na sua mente, o que gera uma ansiedade muito grande.

Para combater este sentimento de incapacidade, é muito importante tentar agir na “raiz” do problema e não deixá-lo tomar conta, pois, se isso acontecer, o resultado é que você pode acabar se tornando mesmo um incompetente e perdendo seu emprego.

Resumindo: a ansiedade no trabalho pode destruir sua reputação profissional.

6. Prazos curtos para realizar tarefas

Muitos dizem estar acostumados e até apresentam melhores resultados sob pressão. Mas, na verdade, trabalhar em um ambiente onde há pressão o tempo todo não é bom para ninguém.

Eu, por exemplo, não lido bem com essa situação, então, quanto mais apertado for meu o prazo para realizar uma tarefa, menor será a qualidade da minha entrega. E é óbvio que isso gera uma ansiedade espontânea, algo que eu não consigo controlar.

Isso não acontece só comigo. Ter um prazo muito curto para realizar as tarefas é uma das causas mais comuns de ansiedade no trabalho.

A solução, nesse caso é o bom senso: depende muito da pessoa e do tipo de tarefa, mas não pode ser um prazo muito longo, que comprometa o resultado do projeto, nem muito curto, que comprometa a qualidade da entrega.

7. Procrastinação

Na contramão do item anterior, vem a procrastinação. À primeira vista, soa um pouco estranho mencioná-la como uma causa da ansiedade no trabalho, afinal, você pode se perguntar: se o profissional está ansioso, por que ele estaria procrastinando?

Ocorre que, quando deixamos para depois uma tarefa que deveria ser feita agora, é sinal de que a aversão por essa atividade é tamanha que todo o resto torna-se mais urgente ou interessante.

A procrastinação pode ser, inclusive, um gatilho para disparar todas as outras motivações de ansiedade. Assim, quando você cair na tentação de deixar uma ação importante para depois, é importante avaliar o porquê dessa decisão.

Será que é por que você não gosta do que faz; sofre de baixa autoestima; não tem o reconhecimento desejado; sente-se sobrecarregado; tem medo de falhar ou está se sentindo pressionado?

O primeiro passo para combater a ansiedade no trabalho é reconhecer de onde ela vem.

Conclusão

Se você se identificou com qualquer uma das razões de ansiedade no trabalho mencionadas neste artigo — e já sentiu alguma delas —, procure refletir se sua atividade profissional está alinhada ao seu propósito de vida e tenha uma conversa franca com seu gestor, a fim de propor melhorias na rotina e no ambiente de trabalho.

Caso seja um empreendedor, faça o mesmo com a sua equipe, pois a saúde dos seus colaboradores deve vir sempre em primeiro lugar.

Para a BMind, seu bem-estar e sua realização profissional também são prioridades. Por esse motivo, todos os dias compartilhamos conteúdos que ajudam milhares de pessoas a se sentirem mais realizadas. Assine a nossa newsletter e fique por dentro das novidades!