Na teoria, tudo parece perfeito, certo? Mas e na hora de colocar a mão na massa, como funciona uma mentoria na prática? Como colocar em ação tudo o que você vem aprendendo aqui no blog da BMind e ter sucesso como mentor?

É o que você confere neste post!

O que é mentoria na prática?

Mentoria na prática é transmitir o seu conhecimento para alguém, a fim de ajudar essa pessoa a atingir um determinado resultado. Esse conhecimento pode ser fruto de um estudo, de uma experiência ou vivência que você teve ao longo da sua carreira ou da vida mesmo.

Quando você se propõe a compartilhar seu conhecimento por meio de uma mentoria, precisa desenvolver uma estrutura para repassar essa informação, de maneira que ela possa ser replicada por outras pessoas.

Isso se faz necessário para que os seus mentorados tenham um mapa, um passo a passo do que devem fazer para obter o resultado que esperam. Do contrário, o processo pode se tornar muito irregular e não surtir o efeito esperado, que é promover uma transformação na vida dos seus clientes.

Por que uma mentoria gera mais resultados que outros modelos?

Levando a outro nível

Na mentoria, a proposta é que você compartilhe uma experiência na qual você obteve sucesso. Nesse sentido, ela pressupõe uma maior proximidade com os seus mentorados, bem como uma troca mais rica de conhecimento entre você e eles.

Esse modelo gera mais resultados que outros justamente por esse vínculo que se forma entre mentor e mentorado. Algo que não ocorre na consultoria, por exemplo.

Na consultoria, você analisa um problema de fora e propõe soluções sem, necessariamente, se envolver com os clientes. Seu papel é o de apontar falhas e como resolvê-las, seja por meio de estratégias ou ferramentas. Uma vez que você tenha apontado o que deve ser feito, a consultoria termina.

Por outro lado, na mentoria, existe um acompanhamento mais próximo. O mentor compartilha situações pelas quais já passou. Portanto, ele conhece o processo pelo qual o cliente está passando e pode, inclusive, empatizar com os sentimentos e emoções dele naquele momento.

Isso faz com que o mentor tenha uma compreensão mais ampla sobre as dificuldades de seus mentorados e possa auxiliá-los não só com estratégias e ferramentas, mas também com mudanças de atitudes e comportamentos.

Outro ponto-chave que faz da mentoria um modelo mais eficaz é o método. Você desenvolve um método de transmissão de conhecimento, assim como um passo a passo para que seus mentorados atinjam seus objetivos. Tendo essa sequência de etapas a serem cumpridas, fica muito mais fácil visualizar o caminho a ser trilhado rumo ao sucesso.

Uma vez que a mentoria tenha sido finalizada, seus mentorados também têm a oportunidade de replicar seu modelo para outras pessoas, tornando-se agentes transformadores da sociedade e expandindo os benefícios que obtiveram com você.

Quem pode assumir o papel de mentor?

Qualquer pessoa pode ensinar algo

Até 1900, todo o conhecimento do mundo dobrava a cada 100 anos. Em 1945, dobrava a cada 25 anos. Em 1982, dobrava a cada 12 meses. E em 2020, passou a dobrar a cada 12 horas.

Ou seja, é impossível para qualquer ser humano dominar tanta informação. Diante disso, sempre haverá alguém capaz de ensinar algo para os outros.

Nesse sentido, qualquer pessoa que decidir compartilhar seu conhecimento pode se tornar um mentor. Mas o que é necessário para isso?

Primeiramente, você precisa saber como funciona uma mentoria na prática. O que já foi explicado no início deste artigo. Num segundo momento, você precisa ser ou se tornar especialista em um determinado nicho de mercado.

Quanto mais você souber sobre um problema e sua solução, maiores as chances de colocar sua mentoria em prática e ter sucesso.

O terceiro ponto é ter um método testado e comprovado. Afinal, você vai querer replicar para vários clientes e permitir que eles também repliquem sua metodologia em suas vidas. Sendo assim, uma estrutura bem formada é indispensável.

Quais são os formatos de mentoria?

Antes de sair por aí buscando um padrão de mentoria para aplicar, é importante saber que, ao criar um programa de mentoria, você está criando um negócio. E quando se trata de empreendimentos, existem diversas maneiras de colocar sua ideia no mercado.

O foco de qualquer negócio é resolver um problema. E o mesmo problema pode ser resolvido de inúmeras maneiras. Tudo depende do ponto de vista e da experiência de quem está atuando na solução. O formato da mentoria também depende do tipo de resultado que você está propondo.

Para que você tenha ideia das opções mais utilizadas hoje em dia, criei essa lista:

Mentoria presencial

Na mentoria presencial, mentor e mentorado se encontram com uma certa periodicidade — semanal ou quinzenal, por exemplo — para debater o problema e a solução.

A vantagem desse formato de mentoria é a proximidade e também a formação de um vínculo mais profundo entre mentor e mentorado. O ponto negativo é a limitação da quantidade de clientes que você pode atender por vez.

Mentoria online

Acontece da mesma forma que a mentoria presencial, com a diferença de que os encontros são online, por meio de ferramentas como Zoom ou Skype.

A vantagem da mentoria online é que não há deslocamentos e você não precisa ter uma estrutura física fixa para prestar o serviço. Isso permite que você viaje com frequência e tenha mais flexibilidade de horários, por exemplo.

Mentoria em grupo

Nos dois modelos anteriores, a mentoria acontece de maneira individual. Mas na mentoria em grupo, você tem a possibilidade de ajudar mais pessoas por vez.

Para ter sucesso neste modelo de mentoria, você precisa reunir pessoas que tenham o mesmo problema dentro de um contexto parecido. Dessa maneira, seu método pode ser aplicado e replicado para todos sem necessidade de muitas customizações.

A mentoria em grupo pode ser tanto presencial quanto online, com a vantagem de que o modelo online permite que você expanda sua mentoria para qualquer lugar do planeta. Assim, é possível reunir grupos maiores e possibilitar transformações na vida de mais pessoas independentemente da localização geográfica.

Que tipo de estrutura uma mentoria deve ter?

É normal ter dúvidas no início

Quem está começando nesse universo de mentorias costuma ter dúvidas como: quanto tempo minha mentoria deve durar? Quantos módulos deve ter? Será que é muito extensa ou muito curta?

A verdade é que não existe uma fórmula mágica para isso, tampouco um modelo pré-formatado. Tudo depende da solução que você se propõe a entregar, bem como da complexidade do problema a ser resolvido.

Imagine que você está desenvolvendo um negócio de mentoria de carreira. Seu propósito é ajudar outras pessoas a mudarem de carreira de forma segura e tranquila.

Se você parar para refletir por alguns minutos, vai chegar à conclusão de que está lidando com algo muito importante na vida de uma pessoa. Afinal, além de ser fonte de sustento, o trabalho também é fonte de realização pessoal. Portanto, é um processo relativamente complexo, que merece mais tempo para ser amadurecido e implementado.

Agora, imagine outra situação: você sempre teve como hobby o aeromodelismo e agora decidiu ajudar outras pessoas a se desenvolverem nessa atividade. Seu propósito como mentor será dar o passo a passo para os mentorados para que eles saibam onde buscar informação, onde adquirir os materiais e assim por diante.

Embora seja uma atividade relevante para um determinado grupo de pessoas, ela não é determinante para a vida delas. O conhecimento envolvido na mentoria também não é tão profundo e transformador quanto na mentoria de carreira.

Sendo assim, o tempo de duração e a quantidade de módulos envolvidos na sua mentoria dependem de diversos fatores, que você deve avaliar no momento em que estiver construindo a estrutura do seu programa de mentoria.

Tenha em mente, também, que mentoria é um processo. Portanto, a cada grupo de mentorados que conclui o programa, mais experiência você vai ter. Consequentemente, mais informação e feedback para aprimorar a solução que está oferecendo ao mercado.

Se hoje seu programa for construído com cinco módulos, pode ser que, daqui a um ano, ele tenha oito ou dez. Ou seja, você vai aperfeiçoando seu método pouco a pouco, até chegar a um modelo ideal.

Como funciona na prática um programa de mentoria

Na prática, um programa de mentoria tem módulos e encontros. Nesses módulos, o mentor usa diversas ferramentas e habilidades — templates, ferramentas, storytelling, estudos de caso etc. — para aumentar o nível de consciência dos mentorados e repassar conhecimento.

Ao final de cada módulo, os melhores mentores propõem atividades práticas para que os mentorados possam aplicar o conhecimento que adquiriram ao longo do módulo e desenvolver, gradativamente, a solução que estão buscando.

Em outras palavras, uma mentoria tem uma parte teórica e uma prática. Desse modo, os mentorados saem do campo intelectual e veem seu objetivo se materializando aos poucos.

Quando todos os módulos são concluídos, todos os mentorados devem estar em condições de obter o resultado que estavam almejando no início do processo.

Portanto, na prática, a mentoria é um processo de construção, de empoderamento, que permite à pessoa transformar sua realidade de acordo com o que aprendeu.Agora que você já sabe como funciona uma mentoria na prática, dê o próximo passo: conheça a melhor estratégia para atrair clientes e formar seu primeiro grupo de mentoria!