Medo é um estado emocional que surge em resposta à consciência perante uma situação de eventual perigo. A ideia de que algo ou alguma coisa possa ameaçar a segurança ou a vida de alguém faz com que o cérebro ative, involuntariamente, uma série de compostos químicos que provocam reações que caracterizam o medo.

É bastante comum sentir insegurança em relação às novidades, principalmente quando envolvem o lado profissional e financeiro - como fazer um novo curso, trocar de emprego, abrir um negócio ou executar um projeto. E sob a lente da gestão, podemos entender que esse medo surge porque mexe com as nossas expectativas.

Esperamos de nós mesmos que o futuro seja impecável, sem falhas. Então, criamos altas expectativas sobre nosso próprio desempenho e, sem querer, transformamos essa esperança em cobrança. A cobrança em excesso, por sua vez, acaba funcionando como um paralisador. E nesse momento, o medo do novo surge e cresce baseado no receio de errar, de não dar conta, de perder algo.

Ser mentor é empreender com seu conhecimento.

É começar um novo projeto ousado e que desafia o senso comum. Portanto, é perfeitamente natural, e até saudável, que você sinta medo ao pensar em se lançar ao mundo como mentor.

A questão é: como vencer o medo para poder viver do seu conhecimento?

Medo não é algo necessariamente ruim...

O medo é um mecanismo de defesa do nosso cérebro que funciona para nos resguardar. Ele surge da sensação de que algo pode nos ferir física ou psicologicamente.

Ele vem da antecipação de que algo ruim está prestes a acontecer, e isso nos torna mais cautelosos e prudentes.

Nesse sentido, evitamos acidentes e desastres ao tomar cuidado redobrado. Então, a habilidade de vencer o medo é a responsável por termos evoluído como espécie.

Do ponto de vista psicológico, o medo nos faz evitar frustrações, conflitos e dissabores perante às pessoas de nosso círculo social e a sociedade. E isso é muito importante, pois somos seres tribais.

Quando o medo se torna um problema?

O medo se torna um problema quando ele cresce a ponto de nos causar desconforto constantemente, mesmo em situações que não representam perigo real. Isso pode gerar um sentimento de incapacidade, minando a nossa autoestima e nossa autoconfiança, o que faz nos sentirmos miseráveis.

Essa falta de controle e gestão emocional pode nos paralisar e causar muita dor e arrependimento.

E essa sensação desagradável constante pode evoluir para uma fobia.

Fobia é um tipo de perturbação da ansiedade caracterizado por medo ou aversão persistente a um objeto ou uma situação. As fobias geralmente causam o aparecimento súbito de medo e estão presentes por mais de seis meses.

As fobias são diferentes dos medos regulares porque causam sofrimento significativo, possivelmente interferindo na vida em casa, no trabalho ou na escola.

Elas são um tipo de transtorno de ansiedade. Transtornos de ansiedade são muito comuns. Estima-se que afetem mais de 30% dos adultos dos EUA em algum momento de suas vidas.

Fobias devem ser tratadas clinicamente com uma combinação de terapia e medicamentos, com acompanhamento de psicólogo ou psiquiatra.

Os tipos de medos que experimentamos

Existem muitos tipos de medos que podemos experimentar ao longo da vida, mas podemos classificar em dois grupos:

  • medo por ameaça à nossa integridade física;
  • medo por ameaça à nossa integridade emocional e psicológica.

Ambos tem origem no desejo universal de nos sentirmos seguros. Ou seja, a autopreservação.

Quando falamos sobre os medos que nos impedem de começar um negócio de mentoria, estamos falando de ameaças à nossa integridade emocional ou psicológica, obviamente.

Sentimos medo de não nos adaptarmos, de não sermos aceitos em sociedade, de não correspondermos ao que esperam de nós. Sentimos medo do fracasso e do desconhecido.

Por que se lançar  ao mundo como mentor pode nos amedrontar?

O desconhecido nos causa medo. Tememos por nossa integridade quando não sabemos o que esperar.

Começar como mentor é um desafio que oferece mais incertezas do que certezas, e isso por si só é horripilante!

Sentimos medo do abandono, medo da solidão, medo do ridículo, medo de passar vergonha, medo do julgamento de outras pessoas, entre outros.

Além disso, um dos principais motivos do medo psicológico é a comparação.

Comparar-se com outras pessoas é praticamente inevitável, mas a comparação nos leva à impressão de termos sempre menos, de sermos sempre inferiores, e isso gera sofrimento.

Aprendemos a nos comparar desde que nascemos. Provavelmente você se lembra de fazer comparações com outras pessoas desde quando era criança, e isso parte de uma necessidade natural de identificação!

Construímos uma autoimagem e temos o desejo de pertencer a grupos. Isso nos gera o medo de fracassar na tentativa de pertencer e de nos tornamos quem sonhamos ser.

Se nos falta dinheiro, temos o desejo de enriquecer, e isso por si só gera o medo do fracasso. Se enriquecemos queremos mais, e também temos medo de perder o status já alcançado. Nesse sentido, nossos desejos nos acorrentam tanto quanto o medo que eles criam.

O desejo de ser mentor gera também o medo de não conseguir alcançar tal status, ou então de decepcionar àqueles que confiaram em nós.

O que fazer para enfrentar o medo e se tornar mentor?

Você precisa primeiramente aceitar que você é único!

As comparações sempre vão aprisioná-lo! Lembre-se que como mentor você só precisa ter o compromisso de ajudar seu cliente, e não tem a obrigação de saber a resposta para tudo ou de ser superior a outros mentores ou especialistas de seu mercado!

Não existe um modelo ideal! Sua história e experiência devem ser a base para um método único e diferente de todo o resto.

A sua motivação para deixar um legado e ajudar muitas pessoas deve ser maior e mais forte que os medos relacionados a esse desejo.

Começar é a chave. Começar com medo, assim como você fez quando era um bebê e aprendeu a andar.

Você precisará aceitar que os tropeços farão parte do processo, assim como os aprendizados e resultados gerados serão a chave para conquistar autoconfiança!

Não se esqueça da Lei do Espelho - se você julga demais outras pessoas terá muito medo do julgamento que outros terão sobre você.

Tire o foco de você! Seu negócio de mentoria deve ter o foco no seu cliente!

Não tente parecer perfeito. É justamente sua vulnerabilidade que fará com que as pessoas se conectem à você e o enxerguem como o mentor ideal!

Por fim, o seu desejo de causar impacto e mudar pra melhor a vida das pessoas precisa estar acima do desejo por segurança e estabilidade!

Permita-se!